what image shows

Manuela Rodrigues

Doutoranda em Ciências da Educação com especialidade em Literacia Digital pela Universidade Nova de Lisboa.

Doutoramento em Gestão com especialidade em Recursos Humanos pelo ISCTE (apenas concluiu a parte curricular).

Mestrado em Gestão Escolar pela Universidade Católica.

Licenciatura em Línguas e Literaturas Modernas (Francês e Inglês) pelas Universidades do Porto e de Lisboa.

Bacharelato em Secretariado de Direção e Assessoria.

Sócia Gerente da empresa ROD – Real Or Digital (até agosto de 2017).

Docente convidada na Universidade de Lisboa entre setembro de 2011 a julho de 2013.

Desempenhou diversos cargos no Grupo Nestlé Portugal entre 1980 e 2011.

Sócia da APG – Associação Portuguesa de Técnicos e Gestores de Recursos Humanos.

Sócia da Associação Profissional de Formadores.

Oradora convidada em vários Eventos, sobre a Formação em geral e o eLearning em particular.

Publicação de vários artigos na RH Magazine.

Entrevistas (duas) para o programa Iniciativa, da RTP2.

“Apoio a Moção “Reinventar Portugal”, a ser apresentada no Congresso do PS pelo líder do Movimento Resgatar a Democracia – Daniel Adrião, por acreditarmos que nos representa num Modelo de Desenvolvimento dos quais destacamos algumas ideias, a saber:

– Promover a “pluralidade intrapartidária”: unidade na diversidade. As “críticas” devem ser entendidas como construtivas e levadas a debate (a troca de ideias só enriquece). Os autocratas são pessoas inseguras que se fazem rodear de yes men (mas também sabem que no dia da queda não contarão com a lealdade desses “parasitas”) A Liberdade de Expressão não se coaduna com o pensamento único – este é inimigo da Democracia.

– Defender Inter-relações assentes em Valores e Princípios básicos para sociedades ditas desenvolvidas, tais como: Integridade, Dignidade, Transparência, Respeito, Coragem, Delegação, Dar o exemplo, etc…

– Assegurar a Mudança do Sistema Político:
Eleições primárias para a escolha de candidatos a titulares de cargos públicos.
O cargo político deve ser encarado como uma Missão e não como um Emprego.
Acabar com a incompatibilidade entre acumulação de cargos políticos com funções privadas.
Responsabilizar as “habilidades ilegais” que resultem em “enriquecimento ilícito”, não só com a perda de mandatos, mas também com a devolução total das verbas em causa.

– Implementar um novo Paradigma Económico que promova a motivação e o compromisso dos trabalhadores quanto ao aumento de Qualificações, de Produtividade e de Competitividade. Porém, como contrapartida, a AR e o governo devem combater, com veemência, a Precariedade e os Baixos Salários que até já chegaram aos altos quadros da Função Pública – não se motiva alguém a ser funcionário público, mesmo com as remunerações auferidas no topo da carreira, para exercer funções de Médico, Juíz, Professor universitário, Deputado, Ministro, PR e outros técnicos superiores da função pública.

– Levar a debate e votação na AR, o estatuto de “crime público” para as pessoas que são vítimas de “Violência Laboral – vulgo Mobbing”, conforme já acontece para outros casos de abusos graves, como p.ex. para a “violência doméstica”, a “pedofilia” e os “maus tratos a animais domésticos”. A violência laboral, embora seja a nível psicológico, provoca sempre sérios e irreparáveis danos físicos e psíquicos que podem levar à morte, na forma de suicídios e homicídios.

– Alertar para a necessidade de se começar a debater, a nível interno e europeu, como se irá assegurar um “futuro de coabitação saudável” entre as Pessoas e a Tecnologia/Inteligência Artificial/Robótica, que não comprometa o Mercado de Trabalho perante a avidez do lucro fácil de um tecido empresarial já assente num “Capitalismo selvagem”.

– Exigir o cumprimento do Programa de Governo do PS que não tem respeitado p. ex. a recuperação de rendimentos, apesar do esforço dos parceiros parlamentares de esquerda. É imoral ter funcionários públicos com salários e carreiras congelados há quase 10 anos, quando se está reiteradamente a “cobrir buracos financeiros de entidades privadas decorrentes de manobras de corrupção” (é falsa a teoria que serão assegurados os postos de trabalho, pois a prática tem demonstrou o contrário.

– Apostar na Qualificação dos recursos humanos. Contudo, a “excelência” nunca poderá passar pela “banalização” do Ensino/Aprendizagem que só serve para aumentar os resultados estatísticos – ex. um Bacharelato não pode ser equiparado a uma Licenciatura, nem esta última a um Mestrado!

– Acabar com a tendência de “desperdiçar recursos financeiros”, provenientes dos impostos dos contribuintes, com:
Fundações privadas – devem fazer benfeitorias com património próprio
PPPs – acabar ou rever os contratos, com seriedade e credibilidade nas parcerias (a prática tem demonstrado que o privado só assume os elevados lucros e deixa para o Estado os prejuízos).

– Elaborar “OE” credíveis e sustentáveis, que assegurem e/ou melhorem os direitos básicos dos contribuintes, tais como p. ex. Saúde, Educação, Administração Interna e Justiça, deixando para os privados todas as outras áreas ligadas à Economia. Os direitos básicos não podem ser tratados como um meio de gerar lucros – a não ser por opção dos privados ricos.”

Next Post

Previous Post

© 2018 Movimento Resgatar a Democracia